Artistas Fundadores

Marcos Amaro

Marcos Amaro (São Paulo, SP, 1984) é empresário, autodidata, colecionador e artista plástico. Vive e trabalha entre as cidades de São Paulo e Bruxelas. Desenvolve suas obras, predominantemente, com objetos aeronáuticos de grande e média proporção. A matéria em estado bruto, a descontextualização, o precário e a desconstrução são as características do seu pensamento poético. Em 2012 cria a Fundação Marcos Amaro, uma instituição privada com visão pública, que tem como intuito dar acesso ao acervo particular e apoiar projetos de arte e cultura. Com esse mesmo objetivo, o artista é idealizador do MESCLA.

Francisco Klinger

Francisco Klinger (Óbidos, PA, 1966) é um artista multimídia. Faz uso de diferentes materiais e métodos para compor esculturas, instalações e obras em espaços públicos. Em 1997, graduou-se em Educação Artística pela Universidade Federal do Pará, mesmo ano em que recebeu bolsa do DAAD (Deutscher Akademischer Austauschdienst/Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico) para pós-graduação na Alemanha. Entre 2001 e 2011 viveu entre a Alemanha, o Brasil e a Colômbia. Atualmente, vive entre as cidades de Mannheim, na Alemanha, e São Paulo, no Brasil.

Frida Baranek

Frida Baranek (Rio de Janeiro, RJ, 1961) é escultora, arquiteta, gravadora e desenhista. Entre 1982 e 1984 estudou escultura com João Carlos Goldberg e Tunga, na Escola de Artes Visuais no Parque Lage – EAV/Parque Lage e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ). Em 1983 formou-se em arquitetura pela Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro. Em 1984 fez pós-graduação em escultura na Parsons School of Design, em Nova York. Atualmente vive e trabalha em Miami, nos Estados Unidos.

Gilberto Salvador

Gilberto Salvador (São Paulo, SP, 1946) é pintor, desenhista, gravador, escultor, arquiteto e professor. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo, onde mais tarde tornou-se professor. Em 1965, realizou a primeira exposição individual na Galeria de Arte do Teatro de Arena em São Paulo, em um importante contexto político. Foi premiado com a medalha de ouro no Salão de Arte Contemporânea, em 1967. Participou de várias edições da Bienal Internacional de São Paulo. A produção artística é caracterizada pela oposição entre gestual e o traço rígido, entre as formas orgânicas e inorgânicas, entre o movimento e o estático.

Hugo Curti

(São Paulo, SP, 1967) é geólogo de formação, joalheiro, fotógrafo e artista visual. O artista tem um trabalho instigante e imaginativo, que parte da ressignificação e reorganização de objetos do cotidiano para desafiar e transcender as convenções. Fábulas, hipóteses e narrativas inusitadas sobre a origem do mundo e das relações humanas ganham vida por meio do olhar e das lentes do artista. Possui obras em acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo, coleção no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC – USP), na Associação Brasileira do Alumínio (Abal) e na Fundação Marcos Amaro (FMA).

José Resende

José Resende (São Paulo, SP, 1945) é escultor. Em 1963, cursou gravura na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). No mesmo ano, ingressou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Faculdade Mackenzie. Em 1964, estagiou no escritório do arquiteto Paulo Mendes da Rocha. Em 1966, fundou, junto com Wesley Duke Lee, Nelson Leirner, Geraldo de Barros, Frederico Nasser e Carlos Fajardo o Grupo Rex. É um dos fundadores da Escola Brasil.

José Spaniol

José Spaniol (São Luiz Gonzaga, RS, 1960) é artista plástico e professor doutor. Entre 1990 e 1993, estudou na Academia de Artes de Düsseldorf, Alemanha, como bolsista. Em 1999, ganhou a Bolsa Virtuose do Ministério da Cultura para cumprir período de residência no European Ceramics Work Center, na Holanda. A produção inicial do artista parte de referências a objetos cotidianos, como portões, balões e cartazes de rua – em que cria uma troca entre a função utilitária e a poética. Desde os anos 1990, explora a relação entre arte e arquitetura. Atualmente leciona no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Kimi Nii

Kimi Nii (Hiroshima, Japão, 1947) é ceramista e escultura. Em 1957, mudou-se para São Paulo. Graduada em Desenho Industrial pela Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), iniciou as atividades escultóricas com cerâmica de alta temperatura e modelagem manual em 1978. Desenvolve em sua obra a linguagem artística ocidental com base nos procedimentos da cerâmica japonesa. Explora soluções, experimenta recursos e limites, transcendendo os aspectos utilitários herdados do design, criando formas orgânicas a partir da alusão a objetos de uso cotidiano.

Marcia Pastore

Marcia Pastore (São Paulo, SP, 1964) investiga a relação entre espaço e escultura de diversas formas. Em 1986, graduou-se em Artes Plásticas pela Universidade Mackenzie. Seu trabalho artístico ganhou contornos no final da década de 1980, e, desde então, vem realizando exposições em instituições como no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (1990); Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (1993-2010); Centro Cultural São Paulo (2000), entre outros. Em 1998 e 2000, participou da Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madrid (Arco). E, em 2004, da inauguração do Vestfossen Kunst Laboratorium, na Noruega.

Raquel Fayad

Raquel Fayad (Atibaia, SP, 1968) trabalha com pintura, desenho, vídeo e instalação. Pesquisa o Amor por meio de cartas. Explora repetições, sobreposições, acordes cromáticos, materiais diversos, em processos coletivos e colaborativos. Integra com 13 obras o relevante acervo do MAM RIO – Coleção Gilberto Chateaubriand. Atualmente é Coordenadora no Museu da Cidade de Salto “Ettore Liberalesso” e representante regional dos museus da região de Sorocaba pelo SISEM. Curadora e idealizadora de diversas exposições e projetos. É Diretora Executiva da Fundação Marcos Amaro e Secretária do Conselho Consultivo do MESCLA.

Sérgio Romagnolo

Sérgio Romagnolo (São Paulo, SP, 1957) escultor, pintor, desenhista e professor. Em 1980, iniciou a graduação em Artes Plásticas na Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), onde mais tarde lecionou pintura. Em 1986, realizou a primeira exposição individual na Galeria Luisa Strina. Participou de várias edições da Bienal Internacional de São Paulo. Em 1999, tornou-se mestre em artes na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA – USP), com a dissertação Esculturas: Rugas e Alegorias. Em 2002, concluiu o doutorado também na ECA com a tese O Vazio e o Oco na Escultura. Leciona no Instituto de Artes, Unesp.

Curador

Ricardo Resende

Ricardo Resende (Guaranésia, MG, 1962) é curador e Mestre em História da Arte pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP). De 1988 a 2002 trabalhou entre o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP) e o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). De 1996 a 2017, foi curador do Projeto Leonilson. De 2005 a 2007, foi diretor do Museu de Arte Contemporânea do Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza. Foi diretor do Centro de Artes Visuais da Fundação Nacional das Artes (Funarte), entre 2009 e 2010 e, na sequência, do Centro Cultural São Paulo (CCSP). Em 2011 organizou três grandes mostras: a retrospectiva do artista Leonilson: Sob o Peso dos Meus Amores, no Itaú Cultural, em São Paulo; a retrospectiva do artista cearense Sérvulo Esmeraldo, na Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Mostra Arte Pará Ano 30, em Belém do Pará. Em 2013 organizou a I FotoBienalMASP. Em 2014, assumiu o cargo de curador do Museu Bispo do Rosário, no Rio de Janeiro. Em 2017, assumiu a curadoria da Fundação Marcos Amaro.